O Homem que Não Dormia busca libertação da mediocridade

DSC 7051 600x398 O Homem que Não Dormia busca libertação da mediocridade

Antes de tudo, o que se lê na abertura de “O Homem que Não Dormia”, terceiro filme de Edgard Navarro, que teve première no 44º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, é a seguinte frase, em letras gigantes: “Seja cristão ou não, receba no coração”.

A expressão é eficaz. Não está ali gratuitamente (nada está, neste filme de Navarro). Ela de fato cumpre a função de antecipar a catarse que o filme quer apresentar, caminhando temática e narrativamente por uma trilha difícil de assimilar.

 O Homem que Não Dormia busca libertação da mediocridade

Como ele mesmo disse, na apresentação antes da projeção em Brasília, “o filme é uma caminhada do inferno ao paraíso”.

É um caminho árduo exatamente pelo seu teor – de superação a um sincretismo religioso estabelecido e chegada a um estágio de compreensão da vida onde o que sobra é a “compaixão e a concordância”, nas palavras do próprio Navarro.

O Homem Que Não Dormia 1024x680 600x398 O Homem que Não Dormia busca libertação da mediocridade

O diretor do clássico “Superoutro” (1989) tem comentado que o longa anterior “Eu Me Lembro” (sete Candangos no Festival de Brasília 2005) soou como a reconstrução consciente de seu passado, enquanto o novo filme é a tentativa de estruturar as várias inferências que vivencia desde 1978 (quando surgiu a idéia de ‘O Homem…’) – e mesmo em possíveis vidas passadas.

No cerne dessa história, Bertrand Duarte (de “Superoutro”) é o padre Lucas, atormentado com suas incertezas num local remoto do interior baiano. Ao mesmo tempo, um velho misterioso (Luiz Paulino dos Santos) chega à localidade, e sua suposta conexão espiritual, numa outra vida, com um assassino (Navarro) mexe com o comportamento da população do vilarejo. Entre eles, o louco Pra Frente Brasil (Ramon Vane), uma morena faceira (Mariana Freire) e a esposa (Evelin Buchegger) de um coronel (Fernando Neves).

415f953dbac6567794a35c9726cd7723b7e865ef500x375 e1317606911651 O Homem que Não Dormia busca libertação da mediocridade

Ao longo da projeção, todos experimentam uma espécie de libertação da mediocridade humana, sendo a mais simbólica de todos a do Padre Lucas, que ao vivenciar uma revelação divina desvencilha-se das dúvidas sobre o amor e é, literalmente, levado aos céus.

Considerando essa “missão” de Navarro em traduzir tal mistério através do cinema, pode-se dizer que “O Homem que Não Dormia” materializa suas reflexões sobre a vida.

.

O Homem que Não Dormia

0 O Homem que Não Dormia busca libertação da mediocridade
(Brasil, 2011)

 star O Homem que Não Dormia busca libertação da mediocridadestar O Homem que Não Dormia busca libertação da mediocridadestar O Homem que Não Dormia busca libertação da mediocridadeblank star O Homem que Não Dormia busca libertação da mediocridadeblank star O Homem que Não Dormia busca libertação da mediocridade 

+ Luiz Joaquim

Luiz Joaquim é jornalista e crítico de cinema desde 1999. Mestre em comunicação, escreve para a Folha de Pernambuco e edita o site Cinema Escrito. Além de coordenar o Cinema da Fundação Joaquim Nabuco (Recife), realizou os curtas-metragens "Eiffel" (2008) e a animação "O Homem Dela" (2010).

comentários encerrados.